Mudanças no cenário da arquitetura

O ano de 2021 marca os quatro anos de criação do Beiral – Estúdio de Arquitetura, tendo à frente as arquitetas Carol Bernardo e Tamires de Alcântara. Para celebrar esses quatro anos, o primeiro artigo do escritório traz uma importante reflexão a respeito do atual cenário da arquitetura e as diferentes dinâmicas de atuação dos jovens arquitetos.  

Nesse grupo estão os profissionais com até 35 anos que, segundo o Censo de Arquitetos e Urbanistas do Brasil, atualmente representam 44% dos arquitetos, percentual significativo que é fruto do crescimento demográfico e do aumento das faculdades de Arquitetura e Urbanismo. A formação de tantos novos arquitetos, evidentemente, acarretou algumas mudanças ao setor e é sobre isso que queremos tratar.

A fim de construir essa conversa, convidamos oito escritórios de arquitetura, pertencentes desta nova geração, para colaborarem com suas vivências e discutirmos o que temos em comum. São profissionais com até cinco anos de atuação, em sua maioria com atividades voltadas para a arquitetura de pequeno porte e de interiores. Em comum, encontraram um mercado competitivo,  tiveram que buscar alternativas para iniciar a carreira profissional e se adequar à realidade contemporânea. É uma geração mais diversa, conectada e consciente. 

Da esquerda para direita, em sentido horário: Foto 1: Lorrayne Queiroz e Celeste Lealoli – ARQTODOS (Santa Luzia, MG); Foto 2: Loany Gonzaga e Raissa Brasil – GALPÃO ESTÚDIO CRIATIVO (Manaus, AM); Foto 3: Amanda Albuquerque – LADRILHO ARQUITETURA (Recife, PE); Foto 4: Marina Rosa – MARINA ROSA ARQUITETURA (Uberlândia, MG); Foto 5: Daniela Monteiro – VIVENDA ARQUITETURA (Coromandel, MG); Foto 6:  Lucas Teixeira – TAPEREBÁ ARQUITETURA  (Rio de Janeiro, RJ); Foto 7: Nathália de Mello – NMF ARQUITETURA  (Brasília,DF); Foto 8: Luciana Carvalho – PRETA DECORA (Recife, PE)

É notável que a imagem do arquiteto está mudando e vários estereótipos estão sendo quebrados. O aumento dos cursos de graduação somado às políticas de ações afirmativas contribuem para maior diversidade no ensino superior: “[…] vi muitos jovens negras e negros se formando. Principalmente em universidades federais. Não há como negar que isso muda o cenário da Arquitetura como um todo”, comenta Luciana Carvalho, arquiteta do Preta Decora.

São jovens que buscam de alguma forma retornar seus conhecimentos profissionais aos seus locais de origem, seja trabalhando em cidades pequenas ou oferecendo serviços para quem, até então, não contratava acompanhamento técnico. É o caso da arquiteta Lorrayne Queiroz, uma das arquitetas à frente do Arqtodos: “Vivi até meus 14 anos em um apartamento dos conjuntos habitacionais da minha cidade. Sempre presenciei as pessoas reclamarem do espaço e da casa onde elas viviam e aquilo sempre me incomodou muito […]. Atualmente atendo a população […] que não tinha e ainda não tem o costume de contratar algum profissional de planejamento ou execução de obra.

Daniela Monteiro, arquiteta fundadora do Vivenda Arquitetura, optou por atuar em Coromandel-MG, sua cidade natal, que tem menos de 30 mil habitantes: “[…]vejo que as pessoas do local conhecem muito pouco sobre o trabalho de um arquiteto e venho pensando em estratégias para levar arquitetura a esses lugares, de uma forma mais acessível”.

Resultado de consultoria para Sala de TV; autoria: Luciana Carvalho (@pretadecora); foto: Manu Farias (@manufarias.arqfoto), 2020
Projeto T&D, reforma residencial. Autoria:  Lorrayne Queiroz e Celeste Lealoli (@arqtodos), 2021
Fachada Casa+Studio. Autoria: Daniela Monteiro (@vivenda.arquitetura), 2020

Para ingressar e se manter na carreira, os profissionais têm sido criativos: diversificam os serviços oferecidos, atuam em nichos antes negligenciados e são ativos em suas redes sociais. Apesar das dificuldades impostas, o momento potencializou discussões importantes como a do acesso à arquitetura. Assim, Luciana Carvalho pontua: “[…]quando o mercado da construção civil precisou se reinventar após um grave período de crise. Foram as primeiras vezes que eu ouvi falar sobre democratização ao acesso à Arquitetura, sobretudo no campo de Arquitetura de interiores.”

Sobre o que difere a geração atual das anteriores, a maioria aponta a questão da colaboração e relacionamento com os colegas. A arquiteta Marina Rosa, do Marina Rosa Arquitetura, acredita que “[…] a nova geração está muito mais disposta a compartilhar vivências, rotinas de trabalho e experiências com outros profissionais, o que acaba criando uma rede muito mais fortalecida”.

Projeto R2, reforma residencial. Autoria: Marina Rosa (@marinadarosa.arq), 2020

Além da técnica, fundamental ao exercício da profissão, surge a necessidade de melhorar as habilidades de relacionamento, a busca por uma comunicação mais horizontal com os clientes.  “[…]na nossa geração a gente precisa ser mais. Não adianta ser um profissional bom, se não sabe fazer um networking […] o maior desafio, ao meu ver, é saber ser múltiplo e entender as reais necessidades dos clientes”, comenta a arquiteta Nathália de Mello, da NMF Arquitetura.

O posicionamento nas mídias sociais, com uma linguagem de fácil compreensão, é elemento fundamental no nosso tempo. “Buscamos explicar nossos serviços de forma fácil, para justamente quebrar um pouco essa imagem do arquiteto ser um profissional inalcançável, e conseguimos chegar a clientes que nunca haviam pensado em contratar um serviço de arquitetura por não saber a importância do mesmo”, explicam as arquitetas Loany Gonzaga e Raissa Brasil, do Galpão Estúdio Criativo.

Salão KA, reforma comercial; autoria: Nathália de Mello (@nmfarquitetura); foto: Marcelo Calil (@mcfotografia.com.br), 2020
Projeto Surpresa, reforma residencial. Autoria: Loany Gonzaga e Raissa Brasil (@galpao.estudio), 2021

A riqueza no convívio social que esses profissionais têm em suas bagagens traz novas perspectivas para sua produção. Dentre elas, a busca por serviços e soluções acessíveis e o esforço em projetar de maneira mais participativa. Lucas Teixeira, arquiteto paisagista à frente da Taperebá Arquitetura, destaca: “Estamos quebrando um conservadorismo existente na classe. Enxergo a cada geração que se forma um interesse mais aprofundado em tornar a profissão mais acessível, normalizar mais. Somos muito endeusados, […] muitas vezes esse comportamento segrega”.

Projeto Sala Balanço. Autoria: Amanda Albuquerque (@ladrilho.arq), 2020

Amanda Albuquerque, arquiteta da Ladrilho Arquitetura, encontrou na personalização dos serviços e no “faça você mesmo” um nicho de atuação: ‘’Tenho muitos clientes que gostam do “faça você mesmo”, assim como eu. Eles têm a opção de contratar, além do serviço de projetos […], o serviço de auxílio na execução. É uma maneira de o “faça você mesmo” ser mais divertido e mais profissional, já que está sendo executado juntamente com uma arquiteta”.

Com todas as suas individualidades, o que é comum aos arquitetos que conversamos é o desejo de estarem mais próximos dos clientes e terem uma relação mais colaborativa no processo de projeto. Compreendemos que essas mudanças serviram de impulso profissional e, com criatividade, esses jovens estão se posicionando no mercado de trabalho, colaborando com estratégias de valorização do arquiteto e reforçando a importância do acompanhamento técnico.  

O post Mudanças no cenário da arquitetura apareceu primeiro em Archtrends Portobello Blog.

Carrinho

loader