Como a perspectiva de gênero pode impactar o futuro urbano?


<span>Photo by <a href="https://unsplash.com/@adliwahid?utm_source=unsplash&amp;utm_medium=referral&amp;utm_content=creditCopyText">Adli Wahid</a> on <a href="https://unsplash.com/?utm_source=unsplash&amp;utm_medium=referral&amp;utm_content=creditCopyText">Unsplash</a></span>

<span>Photo by <a href=”https://unsplash.com/@adliwahid?utm_source=unsplash&amp;utm_medium=referral&amp;utm_content=creditCopyText”>Adli Wahid</a> on <a href=”https://unsplash.com/?utm_source=unsplash&amp;utm_medium=referral&amp;utm_content=creditCopyText”>Unsplash</a></span>

Você se sente vulnerável ao percorrer os espaços públicos? Se você for uma mulher as chances de responder sim à essa pergunta certamente são maiores, já que a probabilidade de um homem optar por um caminho maior em sua trajetória, para evitar um trecho escuro da rua, ou pensar em qual roupa vestir, de modo que não se sinta exposto em vias públicas, é bem menor. Seguindo está lógica, torna-se quase óbvio como a cidade projetada por homens pode ser lida mais como um espaço de ameaça do que um lugar no qual a mulher se sinta bem-vinda. Sendo assim, para imaginar cidades igualitárias, ainda é necessário insistir num pensamento sob perspectiva de gênero?

Saiba mais »

Carrinho

loader