Building Information Modeling (BIM): um guia para arquitetos

BIM é um dos novos conceitos considerados promissores para o mercado de arquitetura, engenharia e construção. 

Sem dúvida, a arquitetura evolui com a tecnologia, sendo um dos segmentos que mais sofre com as mudanças provocadas pelos contínuos avanços.

Assim, o BIM é importante para qualquer arquiteto que deseja se manter relevante. Continue a leitura para entender melhor o que é e como funciona esse conceito!

O que é BIM e para que serve?

BIM é a sigla para Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção. 

Ao contrário do que muitos acreditam, BIM não é um software, mas uma metodologia que facilita o processo de construção. Em termos básicos, é um método de trabalho bastante organizado e útil, que reúne todas as informações a respeito de uma obra em ferramentas digitais.

Isso inclui o modelo da edificação e o orçamento, além de inúmeros outros detalhes importantes. Ou seja, o BIM acompanha a obra em todo o seu ciclo de vida.

A partir desse método, o projetista pode criar uma maquete eletrônica, sendo possível gerar plantas, cortes e vistas. Também é possível simular os detalhes estruturais, as quantidades dos materiais necessários e as interferências tanto externas quanto internas.

BIM
O projetista pode utilizar o BIM para criar uma edificação com uma maquete eletrônica (Foto: Freepik)

Como essa ferramenta permite a integração de todos os dados em um único local, ela facilita o compartilhamento do projeto com todos os profissionais que estão envolvidos no trabalho. 

De fato, é uma tecnologia bastante avançada e eficiente, que fornece informações precisas sobre cada parte do desenvolvimento de um empreendimento.

O que chama a atenção nesse método é que o BIM funciona muito bem para melhorar todos os aspectos de uma construção. Afinal, hoje em dia, essas maquetes em 3D estão muito próximas da realidade. 

Isso facilita o trabalho dos profissionais, incluindo o desempenho e a segurança. O método diminui as chances de quaisquer erros que seriam comuns em processos de projetos em 2D, por exemplo.

Como o BIM funciona?

Em suma, pode-se dizer que o BIM é um processo que tem o objetivo de projetar, criar e gerenciar dados sobre uma obra de forma mais precisa. Bem, agora você já tem uma boa ideia sobre o que ele é. Mas sabe realmente como funciona essa metodologia?

A ideia que deu origem ao conceito BIM surgiu por volta da década de 1970 e, a princípio, foi chamada de Building Description System (BDS).

No entanto, foi somente em 2002 — quando a Autodesk publicou o artigo Building Information Modeling — que vários fornecedores e desenvolvedores de softwares se envolveram nesse campo e o termo acabou ficando popular.

BIM
Com o BIM o arquiteto pode construir de forma virtual (Foto: Freepik)

Como dissemos antes, com o BIM, o arquiteto pode construir de forma virtual, sem precisar fazer desenhos ou representações físicas da obra.

Há quem acredite que ele nada mais é do que uma modelagem 3D que apresenta apenas largura, altura e profundidade. No entanto, o BIM vai muito além disso, pois permite trabalhar com quatro a seis dimensões.

Para você ter uma noção mais ampla sobre esse método, podemos dizer que cada objeto tem as suas próprias informações e propriedades. Por exemplo:

  • profundidade;
  • espessura;
  • superfície;
  • material;
  • largura;
  • altura.

Ou seja, é possível saber tudo isso sobre quaisquer objetos. De fato, é como se o arquiteto trabalhasse com uma maquete.

Qual é a aplicação dos softwares BIM para arquitetos?

Vale reforçar que o BIM não é um software específico, mas sim um método que pode ser utilizado por meio de vários softwares.

Ele possibilita a construção virtual de um projeto, com todas as informações bem detalhadas ao longo do processo.

Desse modo, é ideal para executar os modelos de uma obra em formato virtual, com todas as suas características. Quando juntas, elas auxiliam o desenvolvimento e a gestão de um projeto e as suas etapas.

Há muitos programas por aí que usam o BIM. Confira a seguir os softwares para arquitetos mais utilizados hoje em dia:

  • Archicad;
  • Edificius;
  • AllPlan;
  • Revit.

Quais são as áreas de atuação do BIM e quem pode utilizá-lo?

De modo geral, o BIM é muito utilizado por arquitetos, como já falamos antes. Mas esse método também pode ser útil para profissionais que atuam em outras áreas.

Isso porque o BIM permite que todos aqueles que estão envolvidos em um projeto possam utilizá-lo, incluindo engenheiros, eletricistas etc.

Desse modo, cada um desses profissionais pode, em tempo real, incluir dados e outros tipos de informações referentes às suas respectivas áreas de atuação. Isso agiliza o andamento do projeto.

BIM
O método ajuda a agilizar o andamento de um projeto (Foto: Freepik)

Quais são os diferenciais desse conceito e por que utilizá-lo?

Embora não faça parte dos processos de todos os projetos, é possível notar que o BIM se consolida a cada dia.

Esse conceito se tornou uma tendência, que atrai cada vez mais profissionais devido às várias vantagens que oferece.

De fato, o BIM é bem empregado por arquitetos e engenheiros, tanto no Brasil quanto ao redor do mundo. Mas, afinal, por que utilizá-lo? Quais são os seus diferenciais e benefícios?

Essas dúvidas são bastante comuns entre aqueles que ainda não conhecem muito sobre ele. Assim, confira a seguir algumas vantagens do BIM para arquitetos.

Possibilita o compartilhamento de dados em tempo real

Dados e informações compartilhados em tempo real são importantes para auxiliar todos os profissionais envolvidos na elaboração de um projeto. O BIM permite que tudo seja feito de forma simultânea, o que garante mais velocidade aos processos.

Desse modo, os envolvidos ficam a par de tudo o que acontece. Por exemplo, se alguém remover uma porta do projeto, de imediato ela sumirá para todos os outros também. Isso acaba facilitando o trabalho, agilizando o processo e até mesmo reduzindo os conflitos durante o andamento de uma obra.

Permite mais controle para os usuários

Sem dúvida, uma das maiores vantagens do BIM é o controle que ele dá aos usuários. Dependendo do software utilizado, é possível saber quanto tempo levará para o projeto ser concluído, bem como quanto dinheiro será preciso investir na obra e se o orçamento estipulado será suficiente.

Além disso, ele permite que todos os profissionais envolvidos em um projeto tenham controle total sobre todas as etapas dele. Ou seja, eles sabem se está atrasado ou no prazo estipulado. Também podem impedir eventualidades que acabem atrasando o andamento ou ultrapassando o orçamento.

Desse modo, com o BIM para arquitetos, os profissionais envolvidos podem evitar imprevistos para que nada saia do controle durante a execução de uma obra.

BIM
O conceito permite que os arquitetos controlem imprevistos da melhor forma (Foto: Freepik)

Oferece mais qualidade e precisão

Com o BIM, é possível explorar de forma mais ampla e flexível um projeto. Ele permite fazer alterações a qualquer momento, sem incomodar o restante da equipe que está envolvida no processo. Assim, é possível garantir mais tempo para que o time resolva outras questões.

Os documentos e dados são compartilhados para que todos tenham acesso e trabalhem em tempo real. Isso melhora o planejamento e o gerenciamento — aumentando, assim, a eficiência do trabalho.

Dessa maneira, o uso do BIM traz mais qualidade aos projetos, pois possibilita mais precisão, evitando possíveis erros, prejuízos financeiros e retrabalho. Isso melhora a performance de todos os profissionais envolvidos.

Gera maior economia às obras

Você sabia que o uso do BIM traz economia às obras? Isso porque o profissional tem mais segurança para fazer os orçamentos, já que todos os produtos usados no projeto têm as suas especificações e até mesmo os seus preços. Ou seja, é possível evitar desperdícios e prejuízos.

Grande parte dos documentos de um projeto sofre com alterações ou passa por revisões após a execução. Desse modo, o desperdício com instalações é grande, causado por erros com orçamentos, compras e instalações.

Isso acaba causando prejuízos que poderiam ser evitados com o uso do BIM, já que ele é muito detalhado e preciso. Além disso, uma equipe menor pode trabalhar mais com a ajuda dessa metodologia, o que acaba reduzindo os custos.

É possível diminuir até mesmo os problemas de comunicação entre a equipe. Basicamente, com o BIM, menos dinheiro e mais tempo são investidos durante o processo de elaboração de um projeto. 

BIM
A tecnologia permite automatizar os processos, economizar tempo e diminuir os custos de uma obra (Foto: Freepik)

Devido às inúmeras vantagens da metodologia BIM, diversos governos começaram a exigir projetos produzidos nesse modelo. Por isso, é importante entender esse conceito para se manter atualizado.

E por falar em se manter atualizado, aproveite para descobrir agora como a Indústria 4.0 pode afetar a arquitetura!

O post Building Information Modeling (BIM): um guia para arquitetos apareceu primeiro em Archtrends Portobello Blog.

Carrinho

loader